ezgif.com-gif-maker.gif
 
logo.jpg gif_cabecalho.gif
I9 Informática..jpg
picasion.com_51650377fc8aaba41ddd02d2f011f399.gif
material realeza1.jpg
AFI PARK.jpg

Solução Auto Peças.gif

C A V A L G A D A - 69 dias: Cowboys Amigos chegam ao Rio Grande do Sul.
Por Jacqueline Dutra de Carvalho em 14/05/13 - 08h58

 

 

PASSO FUNDO (RS) - 69 dias e 2.300 quilômetros depois, o grupo de 20 cavaleiros dos Cowboys Amigos chegou a Passo Fundo (RS) na manhã de sábado, dia 11 de maio. A aventura começou em Espera Feliz, atravessou Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e o Rio Grande do Sul. A recepção foi marcada pelas festas e tradições gaúchas.

A história desta cavalgada começou com um convite do cavaleiro Antônio Xavier aos amigos numa noite de 1999. O grupo assumiu o compromisso de fazer uma cavalgada de Espera Feliz até o interior de São Paulo e, de lá, seguir até o Rio Grande do Sul pela mesma rota que os tropeiros percorriam no Brasil colonial. A promessa demorou a ser cumprida e só 14 anos depois o grupo foi para a estrada, em março deste ano. A trupe, denominada de “Cowboys Amigos”, chegou muito bem ao destino final Passo Fundo.

No dia em que a ideia nasceu, os amigos mineiros estavam em Nova Lacerda (MT) descansando no intervalo de uma outra cavalgada, entre Espera Feliz e Humaitá, no Amazonas. A distância de mais de 2 mil quilômetros entre a terra dos cavaleiros e Passo Fundo (RS) não pareceu muito assustadora para quem, até aquela noite, já tinha andado 2,5 mil quilômetros em lombos de cavalos e muares (cruzamento de égua e jumento). Marcada para 2003, a saga dos “novos tropeiros” acabou não ocorrendo devido à indisponibilidade de alguns dos integrantes do grupo.

Passados dez anos desde a primeira data, os 20 companheiros – que moram em 15 cidades da região de Espera Feliz – conseguiram reservar dois meses dos seus calendários só para a longa viagem.

40 QUILÔMETROS POR DIA

Havia uma estrutura de apoio com seis pessoas. O pernoite sempre foi bem simples: parte deles dormia num ônibus, outros no caminhão e alguns em barracas. Ao raiar do sol, logo eles desarmavam o acampamento e cavalgavam, em média, de 40 a 45 quilômetros por dia. Dos 39 animais da tropa, 31 eram muares e oito eram cavalos. Cada animal participou de um dia da cavalgada e, no dia seguinte, seguia de caminhão, respeitando um rodízio. “Cavalgar ajuda a tirar o nosso estresse. A gente se preocupa com os animais, claro, mas os problemas do dia a dia ficam para trás. Fizemos um monte de amizades pelo caminho e, aos poucos, fomos construindo um mundo diferente”, afirma Antônio Xavier, que idealizou a cavalgada.

Num grupo em que a maior parte dos integrantes tem entre 30 e 50 anos, Antônio comemorou a participação do amigo Amílcar Pacheco, de 82 anos, morador de Manhuaçu. Ele foi um dos parceiros de Antônio na cavalgada até Humaitá em 1999. “É tão gratificante que eu tomei a decisão de vir. Cavalgada é pura cultura. Fazemos uma oração toda manhã e aprendemos a conviver em grupo”, ressalta o experiente cavaleiro Amilcar Pacheco.

PERCURSO EM 62 CIDADES

Em fevereiro deste ano, o cavaleiro Antônio da Costa Filho, também de Espera Feliz, percorreu todo o trajeto de carro para elaborar o roteiro. “Fui fazendo amizade com cavaleiros e fazendeiros que se prontificaram a oferecer pouso a cada noite”, conta. Os 2.300 quilômetros da expedição envolveram 17 cidades de Minas Gerais, seis do Rio de Janeiro, 22 de São Paulo, nove do Paraná, quatro de Santa Catarina e quatro do Rio Grande do Sul.

A chegada do grupo aconteceu na manhã de sábado (11) e contou com a recepção dos Cavaleiros do Mercosul e diversas autoridades de Passo Fundo. Em tom de festa os cavaleiros se dirigiram ao parque de Rodeios da Roselândia onde passaram todo o sábado.

Antônio Xavier explicou que a viajem foi difícil, mas muito gratificante. Passo Fundo foi escolhida como destino pelo interesse dos tradicionalistas locais quando foi feito um contato no passado. Ele explica que a hospitalidade encontrada lá foi o grande prêmio de toda a viagem.

GUIADOS POR UMA RÉGUA AO AMAZONAS

A primeira aventura dos Cowboys Amigos ficou conhecida em toda a região. Em 1999, Antônio Xavier convidou alguns amigos para cavalgar de Espera Feliz até Ariquemes (RO), onde morava uma filha que queria visitar. “Uma vez, bem antes da viagem, o Antônio me convidou, mas eu achei que ele estava de brincadeira. Mas era verdade”, lembra o colega de cavalgada Amílcar Pacheco.

Na hora de definir o roteiro no mapa, a ponta da régua encostou em Humaitá (AM), que fica 500 quilômetros para frente de Ariquemes. Daí veio a ideia de seguir até “o final da régua”. “Passamos dois dias em Ariquemes e, em 5 de agosto, finalmente, chegamos a Humaitá”, diz Amílcar.

Segundo ele, aquela viagem foi pouco confortável, mas marcou a história da sua vida. Há 25 anos, os Cowboys Amigos também fazem uma cavalgada – na segunda quinzena de janeiro – entre Espera Feliz e Guarapari (Litoral do ES), um percurso de aproximadamente 250 quilômetros. O grupo é formado, em sua maioria por cafeicultores que têm a cavalgada como lazer. Em todas as viagens, eles procuram seguir por estradas rurais e fazendas, evitando as rodovias sempre que possível.

Os participantes e equipe de apoio foram: Antônio Xavier Filho (Toe do Lico); Antônio da Costa Filho (Toizinho);  Amilcar Pacheco; Alício Falqueto; Alexandre Freitas; Jorge Célio Salgado; José Leite; Cláudio José; Nilton; Elder; Vicente; Gilson Faria; Heroni; Randolfo; José Antônio; José do Juca; Sérgio de Souza; Mauro; Chico Perigola; Sonia; Mateus; Rogério; Adão Pereira; e Danilo.

 

Compartilhar:

Com informações de Derek Kubaski / Gazeta do Pov
Postado em: Turismo

Veja mais em...
 
Gif-para-test.gif
16142757_1702623726694879_6512629570592083712_n.jpg
ezgif.com-gif-maker (1).gif
24991270_10214857880982264_955541836691778850_n.jpg
©2009 - 2018 Portal Vilanova - Todos os direitos reservados. IpxHost.net